quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Último dia

É o último dia do ano e que prazer me dá olhar tudo que postei agora e ver o quanto evolui. Foi um ano bom, ótimo,  consciente e feliz.  Há coisas a se ajeitar e isso só torna tudo mais incrível porque viver nada mais é do que o eterno desafio de se superar. Observei nas postagens o quanto eu falo do "teu sorriso", "da tua voz", da tua opinião, e isso sem dúvida é algo que se tenha para consertar,  se pode amar e se deve eu diria, mas, com certeza, a si mesmos primeira e prioritariamente.
Ao longo do tempo em que escrevo textos aqui aprendi que o amor é brm diferente daquele no qual acreditei sentir tempos atrás,  o amor não faz chorar, não faz sentir dor, o amor é conforto, é segurança, é uma alegria de dentro pra fora, é uma das mais singelas formas de chegar na felicidade!  Aquilo que eu dizia ser amor, era tudo menos isso, era a minha imaturidade querendo que fosse amor, era a pressa em se viver tudo de uma vez só,  uma intensidade forçada que provocou uma dor com a qual eu não sabia lidar. Pois bem,  aprendi,  tive de aprender, de súbito,  a me reconstruir,  a colar cada partezinha de mim no devido lugar, sem dúvida acabou por ser algo construtivo.
Que venha 2016, e me enlouqueça,  tenha mil e um desafios e que no fim das contas eu vença todos eles e conquiste todos os meus objetivos para esse ano, aprendendo cada dia mais e mais a viver essa linda e incessante jornada!