sexta-feira, 1 de abril de 2011

Fazer parte..

  Não há certeza em nada que ando fazendo, mas há suavidade, há tranquilidade, há uma alma em que o choro já não é constante e que o sorriso faz, na maior parte do tempo, parte.
 Um sorriso que existe por ter lembranças de sentimentos nobres, por ter alegria ao reconhecer a grandiosidade do há no meu coração e a certeza de ter tentado por longo tempo fazer feliz quem me fazia feliz com um simples sorriso, ter orgulho de hoje poder dizer que cresci com as quedas, com os obstáculos e com honestidade, poder sair pelas ruas cantando alto sem me importar com nada, sem me sentir culpada, sem chorar toda vez que passar por lugares que me tragam lembranças do passado. Lembranças hoje me fazem sorrir, me fazem um bem incalculável. São lembranças de diversos tipos: As lembranças vagas, mas cuja emoção define muito mais que qualquer detalhe, as lembranças "perfeccionistas", com som de pássaros, música de fundo, vento, cheiro, cores, coisas que pela simplicidade me encantam.
  Pela primeira vez na vida eu estou me sentindo totalmente de bem comigo, eu estou me amando. Me olho no espelho e não me canso, eu me adoro.
Adoro ver o meu rosto e lembrar que meus olhos viram uma porção de coisas, que infelizmente minha mente não é capaz de lembrar com perfeição e totalidade; adoro ver a porção de detalhes que eu procurava e reparava em todos, mas deixava de ver em mim, enfim, eu poderia ficar citando as diversas peculiaridades que ando reparando, mas não, eu não quero, só quero recomendar a todos uma introspecção, uma vontade e uma certeza de que o amor pelo mundo começa pelo amor próprio.
 Não sei se o que estou sentindo pode ser felicidade e me parece muita audácia dizer que estou me sentindo realmente feliz, porque apesar da banalização da palavra felicidade, muitas pessoas passam uma vida inteira tentando se sentir realmente felizes. Não sei se é felicidade, mas estou bem e espero que isso signifique o começo de uma fase de realizações.